Rua Labatut, 71 - São Bernardo do Campo - SP 11 4941-3662
Amostragem de solo para análise

Amostragem de solo para análise

Clique nas imagens para ampliar

As informações a seguir tem como objetivo auxiliar estudantes, docentes, profissionais da área ambiental e empresas de consultoria que atuam no gerenciamento de áreas contaminadas.

COMO FUNCIONAM AS AMOSTRAS DE SOLO

A amostragem de solo para análise é extremamente importante para o gerenciamento de áreas contaminadas. Muita gente acredita que grande parte dos contaminantes se aloja no meio aquoso (água subterrânea), mas normalmente não é o que ocorre.

Após ocorrer um vazamento, normalmente 80% dos contaminantes se alojam no solo, enquanto apenas 20% chegam à água subterrânea. Grande parte do produto contaminante fica retido no solo, mantendo a maior parte da contaminação na zona não saturada. Parte do produto percola pelo solo e atinge o aquífero freático, propagando a contaminação para a fase dissolvida.

A concentração dos contaminantes no solo e na água subterrânea varia de acordo com os períodos de cheia e seca, com seus picos entre os meses de março/abril e setembro/outubro, respectivamente. A variação sazonal influencia diretamente na concentração dos compostos, uma vez que em situação de elevação potenciométrica os contaminantes trapeados no solo passam para a fase dissolvida elevando as concentrações na água subterrânea. O mesmo ocorre em situação de rebaixamento do aquífero, diminuindo as concentrações em fase dissolvida devido ao trapeamento dos contaminantes nos poros da zona não saturada.

É importante que a amostragem de solo para análise seja feita de forma consciente, para que os objetivos do projeto sejam concluídos. A amostragem de solo para análise deve levar em consideração vários fatores, tais como: o tipo de contaminante a ser investigado; a profundidade de coleta de acordo com as características das substâncias químicas de interesse; a potenciometria local, entre outros.

Um dos principais objetivos da amostragem de solo para análise é a quantificação correta da massa do contaminante, sendo uma informação imprescindível no momento da elaboração de um projeto de remediação.

A amostragem de solo para análise deve contemplar a coleta de amostras nas zonas não saturada e saturada, levando em consideração o comportamento do contaminante investigado. A amostragem de solo para análise também deve levar em consideração a abrangência das plumas de contaminação em fase retida, para que, durante a realização dos trabalhos de campo sejam coletados todos os pontos necessários para delimitação da contaminação nos planos horizontal e vertical.

Gostou? compartilhe!